MEDO. Muito MEDO!

Por Paty Juliani

Ontem, ao abrir o computador, me deparei com um ensaio realizado por uma revista muito respeitada (veja outro post sobre o assunto – https://criarcomasas.wordpress.com/2014/09/11/e-sobre-o-abuso-da-sexualizacao-infantil/), onde meninas (crianças) aparecem de maneira sensual, posando para fotos do editorial de moda.
Fiquei olhando aquelas imagens tentando entender o que era aquilo. Senti náuseas, repulsa e um incômodo desconcertante. Parei de olhar, de ler o que o que texto dizia e pensei como, nos últimos tempos, tenho sentido um incômodo semelhante (em menor escala mas muito semelhante). E que isso não deixa de ser consequência do que estamos vivendo e do que estamos fazendo com as crianças, a infância e as mulheres. E, algumas situações, imagens e notícias vieram imediatamente em minha mente, em frações de segundos: mãe exibindo sua filha “fazendo unha dos pés e escova” com 3 anos de idade; mães se acotovelando para maquiar (base, rímel, sombra e batom) suas meninas, de 4 anos, em uma apresentação de balé para pais; mulheres se “desafiando” a serem fotografas “de cara limpa”; milhares de curtidas da blogueira que posta sua barriga negativa com grande orgulho mas desliza no português do texto; milhares de curtidas do “look do dia” da criança vestida de “animal print”, calça de couro, blusa justa e colete de pele; filha de casal celebridade, de 1 ano, posando de fraldas e bolsa Chanel; mãe dessa filha ser ícone e modelo de lifestyle de uma geração (no Brasil também temos várias que se comparam a Kim Kardashian – não é mérito deles); estatísticas comprovando que as mulheres são quem mais sofrem de depressão e, consequentemente, são as maiores consumidoras de remédios para a alma; mãe me relatando, quase aos prantos, como foi difícil não fazer o aniversário dos sonhos de sua filha, na Disney (aniversário de 2 anos!); mãe relatando em revista que sua filha pediu de aniversário um ipad (aniversário de 2 anos!); estatísticas comprovando como somos recordes em intervenções cirúrgicas estéticas; eu, tendo que explicar para minha filha de 4 anos coisas inexplicáveis como por exemplo, porque uma criança de 4 anos não precisa pintar as unhas em manicure, que sua mãe não vive despenteada mas que o cabelo dela é assim e é muito legal (apesar de todas as mulheres do mundo terem cabelos lisos) e que ela pode sim usar apenas calcinha para nadar (pois ela é uma criança de 4 anos) apesar das outras estarem com seus tops. E tantas outras imagens, notícias e vivências totalmente ligadas, conectadas e que naquele momento, para mim, foram traduzidas por aquelas imagens.

Pensei em mim alguns anos atrás, decidida a ter filhos nesse mundo completamente insano. Lembrei como fui feliz em saber que teria meninas. Como isso significava muito pra mim. Lembrei como sempre admirei mulheres fortes, guerreiras e corajosas – e que mantenho muitas delas próximas a mim. Pensei como isso seria desafiador, vindo de uma família de meninos (dois irmãos).
Tive vontade de ler “O Segundo Sexo”, “Madame Bovary”, e de revirar novamente o livro da Pagu (Patrícia Galvão) que comprei anos atrás num sebo no centro de São Paulo. Tive vontade de pintar o quarto de amarelo. Tive vontade de fazer um retiro de Wicca para me conectar com o feminino universal (o que sempre ficou na vontade). Tive vontade de resgatar as gerações femininas da família, na terapia. E tive vontade de dar o nome de minha avó para minha filha. Sabia que não seria fácil mas tive vontade de celebrar, resgatar e agradecer.

Hoje eu sei como é difícil. Como é difícil não só ser mulher mas criar meninas. Como é difícil preservar a infância dessas meninas. Como é difícil não deixar suas meninas se contaminarem pelo consumismo desenfreado que transforma pessoas em coisas. Como é difícil ver, ouvir e viver tantas coisas que te agridem como mulher. Como é difícil explicar o inexplicável pois elas vêem as coisas, convivem com pessoas, estão em formação e querem saber. Como é difícil…

E a dificuldade é diária, visível e constante. Tentar explicar o inexplicável acaba virando regra. Tentar viver e agir de maneira contrária é quase agressão. Tentar preservar as meninas do que é consumido, pregado e vendido é missão quase impossível. Ver como estamos cada dia menos valorizadas e cada vez mais expostas é triste. Ver a imposição pela padronização de beleza imperando. Ver os riscos para chegar a ela destruindo meninas e mulheres. Perceber que o natural, humano e real não interessam.
Mas é preciso fazer. Agir. Tentar. De todas as maneiras e todos os dias.
Para que nossas meninas sejam, antes de tudo, crianças. Para posteriormente serem respeitadas. Para serem seguras e confiantes sem a preocupação da aceitação. Para que saibam que mulheres são lindas pois são especiais em sua essência e natureza.

O que me conforta (um pouco) é saber que não estou sozinha. Não sinto o mal estar descrito com tudo isso sozinha. E que tem mulheres que lutam por mulheres, que defendem mulheres, que fazem de tudo para preservar a infância de suas filhas (e também filhos), que enxergam o que é verdadeiramente belo. Pessoas preocupadas com a natureza, a alma, a troca e a essência.

E, já que citei imagens, textos e vivencias totalmente desconcertantes, quero deixar aqui algumas que fazem a gente acreditar que as coisas ainda tem sentido: matéria muito bem fundamentada em total repúdio ao ensaio da revista (“cientista que virou mãe” e “pediatria integral”, sou fã de carteirinha); a cantora Preta Gil vindo a público mostrar a indignação com a capa de revista que sofreu photoshop sem sua autorização (onde aparece mais magra e pálida); foto de uma linda modelo australiana (Meaghan Kausman) que protestou contra a adulteração de seu corpo também por photoshop; documentário “tarja branca” liderar a lista dos mais vendidos no itunes; entrevista da atriz Mariana Lima, casada com o diretor Enrique Dias dizendo, numa revista muito popular, como vivem e criam suas duas filhas (“bonito é ser natural”).
Em razão do que tenho visto, lido e vivenciado, tenho a sensação que isso ainda é minoria; que é nadar contra a maré. No entanto, sei que esse movimento é totalmente necessário. Senão, como conseguiremos criar essas meninas? Que tipo de geração de mulheres deixaremos?

MEDO. Muito MEDO!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s