A arte de não dar conta de tudo

por Rita Durigan

Sou das listas. Preciso anotar e ir riscando o que foi feito. A sensação de eliminar algo dali, no entanto, nem sempre tem o mesmo peso da sensação de quanto entra algo novo, a toda hora. Nem sempre celebro tanto quanto me angustio quando mais chegam ítens do que se vão. Nas listas, das listas.

Eu não aprendi a lidar com isso.

Ando trabalhando melhor os nãos necessários. Nem todos, mas alguns. E sinto que faz um bem danado. Mas quando digo sim e não dou conta… pesa. Muito. Ainda mais se eu disse sim por querer de fato fazer.

Só que a vida não tem funcionado milimetricamente, como se coubesse numa agenda perfeitinha que respeita os segundos do relógio. A vida pulsa, corre, sobe e desce, montanha russa. E a gente vai ajustando daqui, apertando dali, e vai. Dali, o Salvador, da obra “A persistência da memória”, que ilustra esse post, derreteu relógios que passam a passar o tempo de forma diferente. Mas nem sempre é assim. E nem isso parou o tempo.

Tem coisa que escapa como areia pelos dedos. Quando você vê, o tempo já era. Passsou.

Sensação ruim essa. A de estar sempre devendo pra lista. E mesmo nos dias que rendem, ainda assim, algo ficou.

Paciência. É a vida. Enquanto ela vai sem pressa de me esperar, eu vou apenas tentando aprender a priorizar. Só preciso assumir que é isso que importa, as prioridades. E curtir. E respirar.

Quem mais?!? \o/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s