Quando tudo que a gente quer parece distante

por Rita Durigan

Quantas coisas a gente vai deixando pra trás porque agora não dá? Porque ainda é cedo, mas agora ficou tarde?

Quantas vezes a gente começa e não termina? Porque surgiu algo que atropelou nossos sonhos e vontades?

Quantos projetos nunca sairam da gaveta, ou nem foram pra ela?

Temos nos questionado muito sobre o tempo que temos e o que fazemos com ele. A vida, muitas vezes os engole. Os compromissos nos absorvem de tal modo que fica difícil submergir.

Nessas horas é comum jogar a responsabilidade nos filhos, na maternidade. É fato que isso toma tempo, exige dedicação e presença; que nossas vidas não serão mais apenas nossas já desde a gestação; que ainda vivemos em uma sociedade onde os principais compromissos com os filhos recaem sobre as mães/mulheres; mas isso é tema pra tantos e outros mais posts. E não é só isso.

Corremos para entregar o que o outro precisa, deseja, contrata, mas e o que combinamos com nós mesmos? E nossos compromissos internos? Pra onde vão? Alguém sabe? Será que ainda dá tempo de tirá-los da gaveta? Pra quem precisamos dar as mãos?

Talvez você também goste de ler A arte de não dar conta de tudo.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s