Férias pra que te quero

por Rita Durigan

Aqui nos Estados Unidos as férias escolares começaram faz umas 2 semanas – varia de estado pra estado. São as longas, que vão até Setembro, quando começa o novo ano letivo daqui, diferentemente do Brasil. Troca de série, lista de materiais, o que costumamos chamar de final de ano no Brasil, aqui vivemos no meio.

Vejo que no Brasil começaram as férias de Julho também. A curta. E resolvi trazer uma persepctiva positiva pras férias das crianças, que costumam ser tão mal quistas, em geral.

Se a gente pensar que, caso nossos desejos se realizem e nossos filhos vivam plenos e saudáveis por muitas e muitas décadas, a INFÂNCIA será a parte infinitamente menor de suas vidas. Um piscar de olhos e, pluft, passou.

Porque será que o pouco desse tempo que temos pra viver intensamente com eles se transformam em pesadelo? Ok. Vamos falar de privilégios e de ter a opção de poder estar mais tempo com eles nas férias, por exemplo. Porque precisa ser todo dia.

E estar presente, de fato. Fazer planos, programas infantis. Passar mais tempo na rua, no parque, com os amigos. Brincar mais do que não dá tempo nos tempos escolares. Comer junto à mesa, sem a pressa do relógio que nos obriga a correr nas outras fases do ano. Conversar. Ouvir. Falar.

A gente se programa pra entregar um projeto grande e urgente no trabalho; a gente se programa pra fazer uma viagem dos sonhos ou pra um barzinho com os amigos, afinal, merecemos, certo? A gente programa tanta coisa por prazer, mas as férias dos filhos, via de regra, se tornam sempre um peso, uma carga a ser suportada, um desejo de que termine já.

Faz sentido isso? Ou é o resultado de vivermos numa sociedade onde terceirizamos cada vez mais nossas próprias crias e, por isso, não nos acostumamos mais tê-las em nossos colos, sob nossas asas?

Eles vão crescer. Vão querer se desaninhar de nós naturalmente. Muito em breve. Mas crianças ainda precisam e demandam de nossa presença e cuidado. De férias curtidas e cheias de lembranças que não se resumem ao que postamos nas redes sociais. Aliás, cá entre nós, com raríssimas exceções as fotos de redes sociais são aquelas que interrompem o viver feliz pra que, contra a vontade das crianças, elas sorriam pro click perfeito. Ou é só comigo que acontece isso?!

Enfim, menos como crítica e mais como reflexão, nossas crianças precisam entrar na nossa lista de prioridades com urgência. Mas não na lista de nossos smartphones cheios de alarmes e limites. Na lista de prioridades da nossa vida orgânica, que fica agendada em nosso coração.

Bom final de semana pra todos e todas nós.

E boas férias também.

(a foto foi tirada na reserva pública Watchung Reservation, em New Jersey, EUA)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s